Blog-Cover1 (5)

Irmãos autores, juntos no mesmo ditongo, aqui no Wid!

By on March 19, 2015 . Category Column

Dizem que conselho se fosse bom a gente não dava. No entanto, quando damos conselhos, estamos falando com nós mesmos em algum ponto onde acertamos ou erramos. O convite para ser embaixadora do Widibook me despertou o desejo de dividir o que aprendi com meus amigos autores. #letsdoit! Minhas dicas são pra você que está no seu primeiro livro, seu primeiro capítulo, ou pra você que sempre quis produzir algum texto pra chamar de seu.

Já respondi dezenas de entrevistas sobre de onde tiro ideias para meus livros, que já passam de 13. Eu sempre digo que observo o mundo. Tenho ouvidos abertos para as conversas na rua, zapeio com os olhos tudo que está escrito perto de mim: letreiros, banners, livros, revistas. Enfim, o mundo é o lugar onde eu tiro as emoções, as lições, pequenos fatos que viram matéria-prima.

Mas, hei, não adianta ter a matéria bruta se você não sabe o que fazer com ela pra lapidar e transformar em arte. Siga meus toques e me acompanhe por aqui.

Primeira lição: livro não é diário, por mais que pessoas publiquem diários. Os livros começam fora de você, estão em micro partículas pulverizadas ao seu redor. Pare de olhar pra si para buscar apensa dentro de você sentimentos para escrevê-los.

Livro não é catarse. Livro é trabalho com emoção. Trabalho significa colocar técnica, disciplina, planejamento e um pouco de dom na mesma fórmula.

Quando passo por algum evento bom ou ruim, eu não vou imediatamente para o computador escrever. Espero me entender com a tempestade para escrever no momento que abre o arco-íris. Preciso da serenidade e do equilíbrio pra que eu passe precisamente para o personagem o que aprendi com o que senti. Como expliquei, o personagem tem seus próprios motivos, que não são os mesmos, por isso, tudo precisa sair bem pensado nas falas e episódios.

Segunda lição: a sua melhor grande ideia já deve ter sido publicada de maneira parecida por vários artistas de diferentes formas. Não desanime. Você pode imprimir seu próprio estilo. Por exemplo, eu tenho a linha de humor chick lit, onde minhas personagens estão sempre em apuros e passam em seus pensamentos tiradas engraçadas. Meus personagens homens nem sempre são tão perfeitinhos.

Um dia desses, recebi uma crítica feroz de uma blogueira que chamou meu Ruan, de O amor está no Quarto ao Lado, de machista. Eu sorri orgulhosa e pensei: caramba, eu construí tão bem este personagem que ele tinha uma identidade própria, forte e excêntrica. Não é igual aos CEOS de Ferrari surreais que se replicam por aí como latas em série. Não comentei a crítica, pois, ao mesmo tempo, o livro é o queridinho de muitos outros leitores que o leram mais de uma vez. Não acho Ruan machista, mas, há uma cena clássica em que conversa com seu amigo, jogando e fumando, e os dois travam um discurso machista carregado de forma irônica. Aquele capítulo foi muito pensado para sair com um mood “poderoso chefão”. Infelizmente, nem todo mundo tem maturidade para compreender ali as finas ironias. Ok. Just ok! Siga em frente.

Por isso, ai vai a terceira lição: aguente firme quando alguém achar seu livro uma droga. Ele bem provavelmente não é. Só foi lido por alguém que não curtiu aquela viagem e não se comoveu com aquele tipo de roteiro. Ok. Tudo bem. Não entre em um fight, beba dois dedos de água bem gelada e respire. É bem ruim no começo, mas, vai vir em algum momento da sua carreira. E nem sempre serão cute na hora de dizer isso a você.

Já viu, né? Escrever não é só diversão, é suor, mais suor do que o público imagina. Você trabalha o tempo inteiro, não passa o crachá em alguma catraca para começar ou parar. Mas, é a nossa loucura feliz. E vamos falar muito sobre esse mundo que compartilhamos como escritores, nos próximos posts.

Me aguardem, irmãos autores! Estamos juntos como num ditongo!

 

*Por Li Mendi, embaixadora do Widbook, escritora, jornalista, publicitária e louca por literatura. Siga a autora no Widbook e conheça os seus livros!

Tags

  • http://www.vivicordeiro.wix.com/autora Vivi Cordeiro

    Adorei seu post e louca para ler os próximos. #Juntascomonumditongo

  • Li Mendi

    Vivi, fico muito contente. Espero que a gente possa trocar bastante. Beijos.

See Also

How Much “Sci” Needs to Be In Your Sci-Fi

Read More       →