Blog-Cover

Ação e Música marcam Uísque no Jarro – Uma Entrevista com Pedro Augusto

By on May 21, 2014 . Category Em Português

Tudo começou com uma música que encheu de criatividade a mente de Pedro Augusto. As muitas ideias originaram Uísque no Jarro uma grande aventura que tem ação, drama, vingança e amor. O livro do advogado de Lagoa Santa – Minas Gerais foi o escolhido como Ebook da Semana pela equipe do Widbook. Conheça um pouco mais a trajetória de Pedro Augusto e algumas de suas principais dicas nessa entrevista exclusiva para o Widbook.

Como você começou a escrever e quais são suas principais influências?

Comecei como qualquer pessoa normal começa, mesmo sem saber, nas redações da escola. Era algo que eu gostava. Oficialmente, digamos, comecei no primeiro ano da faculdade de Direito após um trabalho de filosofia, daí surgiu o blog Mente De Um Zé Que Se Chama Pedro . O blog funciona como um escape paras ideias que tenho, para contos, crônicas e romances.

Minhas influências estão em um ambiente fora da literatura, pois tento dar um ritmo “cinematográfico” ao que escrevo. Gosto de coisas em movimento aliadas a pinceladas de reflexões íntimas, daí a narrativa em primeira pessoa. O Uísque no Jarro carrega essa característica dada a obviedade da influência da “trilha sonora” à história, em especial o rock’n roll (incluído o heavy metal no gênero).

Além da música, para Uísque no Jarro, posso citar os filmes de faroeste do cineasta Sergio Leone.

De modo geral, minha escrita é influenciada de forma bem esparsa, seguem alguns exemplos, Alan Moore, Frank Miller, estes nos quadrinhos, na literatura temos Carlos Ruiz Zafón (meu favorito), Stieg Larsson, Jostein Gaarder, Markus Zusak (exclusivamente a personagem Morte no livro A Menina Que Roubava Livros), Mario Puzo, Machado de Assis, ou qualquer um outro que me surpreenda.

Quanto tempo você levou para concluir o livro “Uísque no Jarro”?

Seis meses.

Blog-Writer

Por que você escolheu Widbook para publicar seu ebook?

Nunca tive contato com outros escritores. Nunca mesmo! É engraçado falar que você escreve e receber olhares desconfiados, incompreendidos. Um amigo meu, o Lucas Amaral (também possui perfil no Widbook), me indicou e no mesmo dia já publiquei meu conto. A ideia de ser lido por quem escreve é um atrativo melhor do que angariar leitores em si.

Conte nos um pouco sobre o processo de inclusão da música no seu livro? Pode compartilhar alguma dica com os escritores iniciantes?

Eu sou fã do Metallica, a música Whiskey In The Jar (cover do Thin Lizzy) sempre foi uma das minhas favoritas. Quando era mais novo e não entendia de inglês, afinal, internet era algo raro, ficava me perguntando sobre a letra, que de cara posso afirmar que nada tem haver com o vídeo clipe feito para ela pelo Metallica (festa com garotas bêbadas e a banda). Quando descobri que era uma história, uma narrativa, não se passa no velho oeste americano, diga-se de passagem, eu adicionei esse elemento por conta própria (a história se passa na Irlanda, e usei este país de referência para a origem do personagem principal, o Jack), a música começou a fazer outro sentido para mim. Há na música o roubo do dinheiro do Capitão Farell, a amada Molly, há um brinde ao pai (do narrador da música), há uma pequena reviravolta, porém, como qualquer música que contenha uma narrativa, há espaços em branco demais que poderiam ser preenchidos, como se completasse e desse sentido àquela história oculta, afinal, na minha versão você conhece e se aproxima do personagem, isso envolve mais o leitor.

Qualquer dica para escritores iniciantes sempre esbarra na noção de vocação. Se você escreve com aquela sensação que não tem nome, e realmente não tem, de estar dando significado a algo, e você também não faz ideia do que seja, acho que este é um bom momento para continuar a escrever. Pode parecer, e na verdade realmente é, piegas, mas se você está começando a escrever agora você precisa se divertir e ter prazer com isso, por mais cansativo que possa ser. O primeiro leitor do que você escreve é você mesmo. Olha aí, outra obviedade.

Para terminar, em poucas palavras nos conte por que as pessoas devem ler o ebook “Uísque no Jarro”?

Porque é muito bom! É uma história muito leve e despretensiosa. Pessoas têm lido em uma sentada, isso é ótimo! Outro dia uma amiga, Juliane, disse, “meu pai achou a história que você me passou e está lendo”, e depois uma outra amiga, a Maria, “meu irmão leu Uísque no Jarro e adorou”, em outras palavras, eu passo para pessoas próximas que normalmente deixam largado a leitura em uma mesa, no quarto, sei lá, um terceiro curioso (que muitas vezes nem me conhece) lê e não consegue largar até terminar. Eu adoro isso! Acontece bastante. No fim, consegui balancear bem a ação com o drama da vingança, e por que não?, com o amor que há na história.

Tags

  • http://www.thesocialpedia.wordpress.com Lucas Amaral

    Ótima entrevista, Pedro. Desejo todo o sucesso do mundo à sua obra! Grande abraço!

See Also

How The Seven Deadly Sins Can Help You Write Emotion: Gluttony

Read More       →